Av. Brasil, 1539, Campo Bom| | contato@prevensinos.com.br | (51) 3049-2999

Serviços

Medicina do Trabalho

ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO:

A legislação de Segurança e Medicina do Trabalho obriga todas as empresas a manterem o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO.

Este Programa é regulamentado pela NR-7 do Ministério do Trabalho e tem como objetivo por meio de Exames Ocupacionais a promoção e preservação da saúde dos colaboradores através de medidas prevencionistas.

Como parte integrante do PCMSO temos os seguintes exames abaixo:

– Exame Admissional,

– Exame Periódico,

– Exame Demissional,

– Exame de retorno do trabalho e Exame de mudança de função

Exames Complementares

Dependendo dos riscos ocupacionais e das atividades que o trabalhador exerce, haverá a necessidade da realização de exames complementares. Existem os seguintes Exames Complementares:

– Audiometria

– Exames de Laboratório: hemograma completo, glicose, colesterol, exame de urina entre outros

– Exames Toxicológicos: ácido hipúrico, ácido metil-hipúrico, dosagem de chumbo entre outros

– Raio X de tórax, de coluna entre outros

– Espirometria

– Acuidade Visual

– EEG –  Eletroencefalograma

– ECG –  Eletrocardiograma de repouso

– Avaliações Médicas Especializadas ( Cardiologia, Traumatologia, Psiquiatria), dependendo de doenças prévias.

É o Atestado que define se o colaborador está APTO ou INAPTO para a realização de suas funções dentro da empresa. Para cada exame ocupacional realizado, o Médico do Trabalho emitirá o ASO em 03 vias. A primeira via deverá ficar arquivada com a empresa no local de trabalho à disposição da fiscalização do Ministério do Trabalho. A segunda via será obrigatoriamente entregue ao colaborador mediante recibo na 1ª via. A terceira via ficará arquivada no prontuário médico.

O ASO é de extrema importância, pois além da identificação completa do colaborador, o número da identidade, a função exercida, os riscos que existem na execução de suas atividades, exames complementares a que foi submetido o colaborador, isto é, informações completas sobre a saúde do colaborador.

Segurança do Trabalho

EMBASAMENTO LEGAL

Norma Regulamentadora-NR 9 (PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), com redação dada pela Portaria n.º 25, de 29/12/1994, DOU de 30/12/1994, republicada no dia 15/02/1995, que estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observadas na execução do PPRA, bem como a obrigatoriedade de sua elaboração e implementação por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados.

CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS (NR-9)

“9.1.5. Para efeito desta NR, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador.”

Riscos físicos: As diversas formas de energia, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não-ionizantes, etc.
Riscos químicos: As substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeira, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.
Riscos biológicos: As bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros.
Limite de tolerância: É a intensidade/concentração máxima relacionada com a natureza e o tempo de exposição aos riscos ambientais, que não causará dano à saúde da maioria dos trabalhadores expostos, durante a sua vida laboral. Este conceito leva em conta aspectos estatísticos e está intimamente ligado à susceptibilidade do indivíduo, portanto não é garantia de “proteção” a todos os trabalhadores.

OBJETIVOS DO PPRA

Os objetivo de um PPRA, um programa de Higiene do Trabalho, consiste em reconhecer, avaliar e controlar os riscos ambientais presentes nos locais de trabalho, preservando a saúde e a integridade física dos trabalhadores.

  • Reconhecimento – Esta etapa consiste no reconhecimento dos agentes ambientais que afetem a saúde dos trabalhadores, conhecendo-se os produtos envolvidos no processo, métodos de trabalho, layout das instalações, número de trabalhadores expostos, etc.
  • Avaliação – Etapa em que se realiza a avaliação qualitativa e/ou quantitativa dos agentes ambientais existentes nos postos de trabalho a serem avaliados.
  • Controle – De acordo com os dados obtidos nas fases anteriores, esta se atém a propor e adotar medidas que visem a eliminação ou minimização do risco presente no ambiente.

O objetivo final é manter todos os agentes ambientais sob controle, com monitoramentos periódicos e ações complementares, visando a perfeita integração do homem ao seu ambiente de trabalho.

Consistem na aplicação de técnicas de amostragens para a realização de avaliações quantitativas de agentes físicos e químicos presentes no ambiente de trabalho através de medições das concentrações dos contaminantes (substâncias e compostos químicos) ou das intensidades dos agentes físicos (ruído, vibrações, calor, etc) e posterior comparação com os respectivos limites de tolerância da NR 15 (L.T) ou ACGIH (American Conference of Governamental Industrial Hygienists).

O resultado de uma avaliação ambiental será documentado em um relatório técnico (LTCAT), identificando, dentre outras especificações, as condições ambientais de trabalho, o registro dos agentes nocivos e conclusão de que a exposição a estes é ou não prejudicial à saúde ou à integridade física.

Avaliação de Ruído

A SERVIMETRA possui equipamentos próprios para a realização de alguns tipos de avaliações ambientais, conforme descrito a seguir:

Audiodosímetro ou Dosímetro

Equipamento que avalia a exposição ocupacional ao ruído através do conceito de dose de exposição.

O equipamento realiza o somatório dos níveis de pressão sonora sobre o período avaliado e ao final fornece um nível médio ponderado no tempo que representaria a mesma energia acústica que o ruído flutuante no mesmo período de tempo.

Decibelímetro

Equipamento que avalia a exposição ocupacional ao ruído de forma pontual, não representando em muitos casos a real exposição do trabalhador na totalidade da jornada. Portanto, é um método impreciso em ambientes com grandes variações de intensidade de pressão sonora.

Riscos ambientais

De acordo com o minidicionário Houaiss, o termo risco significa probabilidade de perigo ou probabilidade de insucesso. Aqui, você vai aprender um pouco mais sobre os riscos ambientais existentes nos locais de trabalho.

Os riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou biológicos que, a depender de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição, podem comprometer a segurança e a saúde dos funcionários, bem como a produtividade da empresa.

Quando não são controlados ou previamente avaliados, os riscos ambientais afetam o trabalhador a curto, médio e longo prazo, podendo provocar acidentes com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho, que se podem ser comparadas aos acidentes do trabalho.
Os riscos ambientais são classificados segundo a sua natureza e forma com que atuam no organismo humano. Dessa forma, podem ser físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes.

Riscos ergonômicos

Os riscos ergonômicos estão relacionados às condições de trabalho dos funcionários como cadeiras e mesas adequadas, maquinário moderno, conscientização dos trabalhadores etc. Esses agentes podem gerar distúrbios psicológicos e fisiológicos como fadiga, dores musculares, fraquezas, hipertensão arterial, úlcera duodenal, doenças do sistema nervoso, alterações do ritmo normal de sono e da libido, acidentes, problemas de coluna, taquicardia, angina, infarto, diabetes, asma etc.

Para evitar que essas situações comprometam a atividade, é necessário adequar as condições de trabalho ao homem. Essa adequação pode ser obtida por meio de modernização de máquinas e equipamentos, uso de ferramentas adequadas, alterações no ritmo de tarefas, postura adequada, simplificação e diversificação do trabalho, entre outros.

O PPP é um documento da história laboral do colaborador, apresentado em formulário próprio e instituído pela Previdência Social e que contém informações detalhadas sobre as atividades do colaborador, exposição a agentes nocivos à saúde e outras de caráter administrativo.

É obrigatório o fornecimento por parte da empresa na demissão do colaborador e passível de multa se não preenchido corretamente.

Treinamentos

A PREVENSINOS conta com equipe de instrutores próprios e parceiros, capacitados, pronta para prestar os mais diversos treinamentos legais assim como Palestras de Temas de Saúde e Segurança do Trabalho:

  • Primeiros Socorros;
  • Formação e Treinamento de Brigada de Incêndio;
  • Treinamento RT-14.
  • Treinamento NR-5 Curso de CIPA
  • Treinamento NR-6 EPI
  • Treinamento NR-11 Empilhadeira
  • Treinamento NR-12 Operações com máquinas manuais
  • Treinamento NR-18 Construção Civil- Admissional e Periódico
  • Treinamento NR-35 Trabalho em Altura

Orçamento

[]
1 Step 1
Nome
Telefone
CNPJyour full name
N° Funcionáriosyour full name
Mensagem
0 /
Previous
Next
powered by FormCraft